Fake News: como se prevenir contra esta epidemia?

Na tradução literal o termo “fake news” significa: “notícia falsa”. E apesar de ser uma expressão em inglês e que aparentemente é algo recente, trata-se de um mal que já circula pelo Mundo todo e que começamos a ouvir falar lá pelo final do século XIX. A popularização das redes sociais, no entanto, tem sido ao longo deste caminho uma das principais contribuições para que a divulgação e o compartilhamento de notícias falsas, sejam práticas cada vez mais comuns.

E se por um lado as notícias são “fatos” divulgados com o intuito de informar a população, as “fakes” fazem exatamente ao contrário, sendo um desserviço para a sociedade e podendo muitas vezes prejudicar vários setores sociais. Diversos são os temas abordados pelas fake’s news e com a atual situação de pandemia enfrentada por todo o mundo, assuntos referentes a covid-19 tem sido um dos alvos do momento.

Com notícias que vão desde “receitas milagrosas” para a prevenção e/ou cura contra o vírus, até supostos áudios de autoridades ligadas ao governo e a saúde, elas costumam chegar pelos grupos de aplicativos de troca de mensagens, ou por aquele amigo ou parente que acredita estar fazendo um bem em dividir com seus entes um assunto importante. Até mesmo alguns profissionais e veículos de comunicação, tentando atender a uma necessidade de agilidade em levar a informação, algumas vezes não checam com precisão uma determinada notícia e acabam repercutindo uma fake news.

Mas como se proteger contra as falsas notícias e não contribuir para disseminação de informações incorretas? Assim como o vírus que estamos todos enfrentando atualmente, ainda não tem uma “vacina”, não existe uma cura específica contra fake news, mas existem sim cuidados e atitudes que podemos adotar para evitar ser uma vítima e minimizar o impacto que elas podem causar. Algumas medidas que podemos adotar são:

– Nunca compartilhe uma informação se você não tem certeza que ela é verdadeira;

– Procure se informar através de fontes confiáveis: em sites, jornais, revistas, canais de tv e rádio conhecidos;

– Na dúvida cheque a informação em mais de um lugar;

– Se a notícia que recebeu é de um setor específico (saúde, por exemplo), vale confirmar com um órgão competente, ou até mesmo com um profissional da área;

E como esta tem sido uma questão que cresce cada vez mais na sociedade, alguns veículos de comunicação têm dedicado um espaço específico só para tratar das fake’s news. O Grupo Globo é um deste exemplos, oferecendo tanto em seus meios televisivos, como nos onlines a possibilidade do público confirmar se uma notícia é verdadeira ou falsa. Através do portal G1, por exemplo é possível ter acesso a um destes canais, o “Fato ou Fake”: https://g1.globo.com/fato-ou-fake/

Além disso, novos canais surgiram tendo especificamente a finalidade de oferecer as pessoas a possibilidade de checar a veracidade de uma informação. Em uma matéria veiculada em fevereiro desde ano, o “Canaltech”, site especializado em tecnologia, divulgou uma lista de sites para checar se a notícia é verdadeira ou falsa:

Agência Lupa: é primeira do setor de checagem de fatos do Brasil a ser criada no Brasil. Ela está ligada ao site Folha de S. Paulo e seus trabalhos estão diretamente ligados a fatos compartilhados em período de eleição. (https://piaui.folha.uol.com.br/lupa/)

– Agência Pública – Truco: fundada em 2011 por mulheres jornalistas, a Agência Pública é uma instituição sem fins lucrativos que avalia notícias com temas que envolvem administração pública e defesa dos direitos humanos. (https://apublica.org/)

– E-Farsas: lançado em 2001, o E-Farsas é um dos sites de checagem de notícias mais antigo que foi criado. O site é responsável por avaliar boatos que são espalhados diariamente pela internet. Após a avaliação, um post é feito para que as pessoas possam ter acesso ao conteúdo. (https://www.e-farsas.com/)

– Fake Check: é uma plataforma que foi criada pela junção de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Diferentemente de uma agência, a plataforma utiliza aprendizagem de máquina e inteligência artificial para avaliar se um texto é verdadeiro ou falso. (http://nilc-fakenews.herokuapp.com/)

Vale ressaltar que os órgãos governamentais também têm se preocupado cada vez mais com o combate as notícias falsas e em tempos de Covid-19, estas ações tem se intensificado. Para quem tem dúvida sobre alguma notícia relacionada ao setor da saúde por exemplo, o Ministério da Saúde tem um espaço que permite fazer esta checagem: https://www.saude.gov.br/fakenews. O Governos de São Paulo também tem procurado alertar a população em relação as fakes sobre a covid-19 e elas estão disponíveis no site: https://www.saopaulo.sp.gov.br/covid-19-sem-fake-news/.