Alison e Petrúcio brilham na Liga Diamante em Oslo

Alison dos Santos venceu os 400m com barreiras nos Bislett Games, em Oslo, Noruega; o atleta paralímpico Petrúcio Ferreira ficou com a prata nos 100m, na tradicional competição norueguesa

Alison dos Santos, do Esporte Clube Pinheiros, conseguiu mais um resultado expressivo nos 400m com barreiras na Liga Diamante-2022 ao vencer os Bislett Games, em Oslo, Noruega, competição que comemorou 100 anos. Mesmo diante de condições climáticas adversas, Alison completou a prova em 47s26, com relativa facilidade.

Rasmus Magi, da Estônia, ficou em segundo lugar, com 48s51, seguido do francês Wilfried Happio, com 49s01. Com o resultado, Piu, como Alison é conhecido no atletismo, manteve sua hegemonia na temporada, com a terceira vitória no circuito em sua preparação para o Campeonato Mundial do Oregon, que será disputado de 15 a 24 de julho, nos Estados Unidos.

Alison dos Santos

Alison, de 22 anos e 2,00m de altura, segue agora com o seu treinador Felipe Siqueira para um camping de treinamento na Turquia e volta a competir em 30 de junho na etapa de Estocolmo, na Suécia, a última da Liga Diamante antes do Mundial.

Prata para Petrúcio – O também pinheirense Petrúcio Ferreira, de 25 anos, da classe T47 (atletas com deficiência nos membros superiores) ficou em segundo lugar nos 100m na etapa de Oslo da Liga Diamante disputada por atletas paraolímpicos no Estádio Bislett.

O paraibano correu o percurso em 10s57, mesmo tempo do primeiro colocado, o norueguês Salum Kashafali, da classe T12 (atletas com deficiência visual). No entanto, o anfitrião levou vantagem devido ao posicionamento do peito no momento de cruzar a linha de chegada. A definição saiu apenas “fotochart”. A terceira colocação foi do argelino Skander Athman (T13), que finalizou o trajeto em 10s58.

Bicampeão paraolímpico dos 100m, Petrúcio competiu contra atletas de outras classes em Oslo. A Liga Diamante reuniu também, velocistas com deficiência visual (classes T11, T12 e T13) e amputados que competem com próteses (classes T62 e T64).

Apesar de não ter vencido a prova na capital norueguesa, o pinheirense mantém o posto de atleta paralímpico mais rápido do mundo. No último dia 31 de março, durante o Desafio CPB/CBAt, realizado no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, ele bateu o recorde mundial com o tempo de 10s29.

 

Fotos: Wagner Carmo / CBAt


Acompanhe as notícias do atletismo