Contando com três pinheirenses, Brasil sagra-se campeão mundial do 4×100 masculino

Três jovens velocistas do Pinheiros fizeram história neste domingo. Derick Silva, Jorge Vides e Paulo André, fizeram parte da equipe de revezamento, ao lado do outro atleta brasileiro, Rodrigo Nascimento e juntos obtiveram a melhor marca do mundo nesta temporada, garantindo ao Brasil o título de campeão Mundial no 4×100 masculino.

O estádio de Yokohama, no Japão, mesmo cenário onde em 2002 o país conquistou o pentacampeonato de futebol, comandados por Ronaldo e Rivaldo, presenciou desta vez um grande feito do atletismo. Concluindo a prova dos 4×100 masculino com o tempo de 38s05, os brasileiros superaram os americanos em dois centésimos ficando com o primeiro lugar. Os britânicos completaram o pódio, finalizando em 38s15 e ficando com a terceira colocação.

O quarteto do revezamento do Brasil já possui uma certa tradição, tendo em seu currículo uma prata na Olimpíada de Sydney 2000 e bronze nos Jogos de Atlanta 1996 e de Pequim 2008. Além disso, já conquistou alguns pódios em Campeonatos Mundiais. Mas esta foi a primeira vez que o time garantiu um resultado desta magnitude, que foi o terceiro melhor tempo da história do país na prova, pior apenas do que o que rendeu a prata em Sydney 2000 (37s90) e que a quarta posição do Mundial de 2007 (37s99).

O resultado reflete a atual safra dos velocistas, dos quais boa parte se concentra no Esporte Clube Pinheiros, que veem conquistando marcas expressivas em suas provas individuais e representando muito bem os revezamentos, nas competições das quais participam. Além deste mundial de revezamentos, a equipe também deve defender as cores do país no Mundial de Doha.

“É muita alegria. Vocês não têm noção do que a gente passa para estar aqui. A gente merecia muito, muito mesmo. Somos campeões mundiais”, gritou Paulo André, de 20 anos, em entrevista dada ao SporTV. “Estamos muito felizes, muito felizes mesmo. A gente treinou, passou muito tempo fora de casa. A gente é campeão mundial e ninguém tira isso da gente”, continuou. “Vem outro Mundial por aí. Viemos aqui para buscar a vaga e conseguimos sair com o título mundial. Falo para todos: depositamos nossa confiança em Deus e deu tudo certo”, completou, referindo ao Mundial de Doha, no final de setembro e começo de outubro.

Derick, também de 20 anos, destacou a troca de bastão “A parte técnica foi boa, muito boa. Nós vimos o vídeo da qualificação e acertamos os detalhes que faltavam e conseguimos ficar com o título. Agora é trabalhar para baixar os tempos individuais mais ainda”, disse Derick.

Jorge, de 26, agradeceu ao treinador. “A gente tem um grupo muito qualificado e tudo graças à confiança que a Seleção teve em nós e ele (o técnico Felipe de Siqueira) depositou em nós. Ele é o cara!”, concluiu, seguido do coro: “Felipão, Felipão, Felipão”, feito pelos atletas.

Revezamento Feminino

No 4×100 m feminino, a equipe que contou com as pinheirenses Franciela Krasucki e Vitória Rosa terminou na quarta colocação, com 43s75, ficando atrás somente dos Estados Unidos (43.27), Jamaica (43.29) e Alemanha (43.68). As outras duas atletas que completaram a equipe foram:  Ana Carolina Azevedo e Lorraine Martins.

“A gente fica triste porque o quarto lugar dói, fica perto da medalha. Estamos com uma equipe nova. É a primeira vez que a gente está correndo com essa formação e ainda temos muito a evoluir”, comentou Franciela.

 

Foto 1: Kyodo / Reuters

Foto 2: Ricardo Bufolin/ECP